“Tio” é preso acusado de estuprar sobrinha de 10 anos em Arapiraca

De acordo com as investigações, o abuso acontecia desde que a garota tinha oito anos

delegacia-de-menores

O suspeito de estuprar uma menina de 10 anos foi preso na tarde desta quarta-feira (20), na Avenida João Saturnino de Almeida, no bairro São Luiz I, em Arapiraca.

O mecânico Alex Agripino dos santos é morador do bairro Arnon de Melo e é acusado de abusar da sobrinha da esposa de apenas 10 anos de idade. Ele foi preso no trabalho, por volta das 17h, próximo a uma empresa de gás.

De acordo com as investigações, o abuso acontecia desde que a garota tinha oito anos.

Familiares estranharam o comportamento da vítima no dia a dia, que estava mais retraída, desconfiada e na maioria das vezes desenhando formas similares a uma relação sexual. Questionada, a menina confessou que o “tio” abusava dela e que pedia para que ela não falasse nada.

Os pais da criança procuraram a Delegacia de Menores e realizaram a denúncia. A criança fez o exame de conjunção carnal, no Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca e foi constatado que houve lesão no órgão genital.

Através do resultado do exame, atendendo a um pedido da Vara da Infância e Juventude a prisão do acusado foi decretada.

Em entrevista ao repórter policial Mitchel Torquato, da Rádio 96FM, Alex disse que é inocente e que faz mais de três anos que não tem contato algum com a criança. Disse ainda que a residência onde a “sobrinha” mora com os pais, funciona um barzinho e que várias pessoas tem acesso.

“Lá é um bar e vários homens frequentam. Entra todo tipo de gente. Nem dessa menina eu gosto e não chego perto dela nem brincando. Eu passei um tempo separado da tia dela e a família dela não gosta de mim. Agora que voltamos inventaram essa mentira, mas vou provar que sou inocente. A menina pode até ter sido abusada, mas eu não sou o culpado”, disse. (SIC)

A esposa do acusado também conversou com o repórter e afirmou que estava surpresa com o ocorrido e chorando revelou que ainda vai precisar de um tempo para decidir se é capaz de perdoar ou não o marido.

“Fui pega de surpresa com essa acusação. Não vou julgar meu marido agora. Preciso de um tempo para analisar a situação e decidir se consigo perdoar ou não. Esse meu choro é de revolta e de decepção, caso isso se confirme”, desabafou.

A pedido da Polícia Civil o local onde o acusado está custodiado não será divulgado para preservar a integridade física dele.

diarioarapiraca.com.br

21/07/16