PM envolvido em morte de menino muda versão sobre momento de tiro

334

Os quatro policiais militares que participaram da perseguição que terminou com a morte de um menino de 10 anos na semana passada, no Morumbi, mudaram a versão sobre o momento em que um deles disparou, informou o SPTV. O advogado que defende os agentes disse, após acompanhar o depoimento de seus clientes à Polícia Civil de São Paulo, que o tiro foi dado antes de o carro furtado pelo garoto e seu amigo parar.

No dia da ação, os PMs tinham contado que os meninos bateram o carro na traseira de um caminhão e que, por isso, o veículo parou. “Neste momento, o motorista, de dez anos, atirou na direção dos policiais, havendo imediato revide”, informa o boletim de ocorrência registrado na data.

Agora, porém, eles dizem que o disparo ocorreu enquanto o veículo se movia. “Quando vocês percebem ali que o carro bate na traseira de um caminhão e a motocicleta cai, o tiro é antecedente à queda da motocicleta”, disse o advogado Marcos Manteiga, que defende os agentes. “Quando o policial da moto cai, ele já fica em pé, que ele está fazendo ainda a abordagem. Porque ele não sabe ainda se iria ter outra agressão ou não. Não há disparo de fogo naquele momento.”

Na sexta-feira (10), durante depoimento a policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que durou quase 11 horas, eles voltaram a dizer que agiram em legítima defesa, porque o garoto atirou na direção deles. A investigação quer esclarecer se a ação foi legítima ou se os policiais militares executaram o menino.

Ouvidoria
O depoimento foi acompanhado por Júlio César Fernandes Neves e Walter Foster Junior, ouvidores da polícia. “Nós viemos acompanhar para exercer a fiscalização social da atividade policia”, disse Neves enquanto o companheiro subia para acompanhar os relatos dos policiais.

Para ele, o caso necessita de uma atenção especial, já que a perícia apontou que a cena do crime foi alterada: “Enxergamos um problema gravíssimo e é por isso que estamos sugerindo que haja uma reconstituição desse crime, para que a verdade real seja buscada efetivamente”, afirmou.

Os agentes disseram logo após o caso que reagiram após o menino disparar três vezes. Um revólver calibre 38 com três estojos deflagrados (ou seja, que foram disparados) foi encontrado no interior do carro furtado.

O depoimento dos policiais é importante para sanar algumas dúvidas. O garoto que sobreviveu deu três versões diferentes sobre o caso. No boletim de ocorrência registrado na delegacia, o menino disse que foi procurado pelo amigo, que estava com uma arma de fogo, e que o teria convidado para roubarem um prédio no Campo Limpo, onde moravam pessoas “de posse”.
No dia seguinte, o advogado Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe), disse que o garoto mudou de versão. Ele negou que o menino que morreu tivesse disparado o terceiro tiro contra a PM com um revólver calibre 38, que foi apreendido.

“O que diferenciou foi que no final, no desfecho, quando batem o carro, não teria ocorrido um confronto. E nesse momento o policial teria disparado e atingido a cabeça do menino”, afirmou o advogado na ocasião.
Já no domingo passado (5), à Corregedoria da PM, o garoto alterou novamente a versão, desta vez, negando que ele e seu colega estivessem armados. Segundo o Condepe, o garoto de 11 anos alega agora que não houve troca de tiros, porque seu amigo de 10 anos não usava nenhuma arma e que o revólver calibre 38 foi “plantado” pelos policiais.

Reconstituição

Também nesta sexta, o ouvidor das Polícias de São Paulo, Júlio César Fernandes Neves, defendeu que o DHPP faça uma reconstituição da perseguição que terminou na noite do dia 2. O caso ocorreu após o menino e outro garoto, de 11 anos, furtarem um veículo de um condomínio na Vila Andrade, na Zona Sul da capital.

Em requerimento ao DHPP, Neves argumentou que o menino que sobreviveu deu três versões diferentes sobre quantos tiros o amigo deu contra a Polícia Militar antes de morrer. “A reconstituição é necessária porque não tem como saber a verdade real dos fatos. Já indicamos ao delegado a necessidade de se fazer, mas o DHPP é que tem que resolver isso. Tem que ter uma reconstituição para limpar as dúvidas que restam”, disse Neves.
Ele também pediu também que o menino de 11 anos fosse ouvido novamente. Isso porque, segundo Neves, as diferentes versões do garoto que sobreviveu à perseguição precisam ser explicadas. Na presença da mãe, no DHPP, logo após o ocorrido, o amigo do menor disse que o garoto disparou em direção aos policiais.

“Nós entramos com um ofício para que o garoto seja ouvido novamente. Esta última versão dele dada à Corregedoria, que ele não tinha arma, não está no inquérito do DHPP. A Polícia Civil precisa ouvir isso também. Precisamos saber por que o menino mudou tantas vezes a versão dos fatos. O mais correto é perguntar para ele por que ele falou isso, por que ele falou aqui. Precisamos saber dele por que ele mudou a versão e, diante destas diferenças, para que haja uma reconstituição”, defendeu o ouvidor.

“Ele é uma criança vulnerável, e esta vulnerabilidade leva a pressões dos demais. Se pudesse ter um psicólogo neste novo depoimento, seria bom”, recomenda Júlio Neves. O G1 questionou a Secretaria de Segurança Pública sobre se o DHPP irá ou não fazer uma reconstituição do caso, e aguarda retorno.
Segundo o ouvidor das polícias, outro fato importante foi a constatação da perícia, divulgada pelo Bom Dia São Paulo, de que o cenário onde o corpo do menino foi encontrado acabou alterado. A perícia não teria encontrado indícios de que tenham sido feitos disparos de dentro do carro furtado. “É preciso confrontar a versão do menino com os dados da perícia, de que mexeram no carro”, acredita.
G1