Estudante de 15 anos pede socorro por mensagem antes de ser estuprada e morta

adolescenteUma adolescente de 15 anos chegou a enviar uma mensagem a um amigo pedindo socorro antes de ser morta. Luke Harlow, de 27 anos, admitiu que a estuprou, no ano passado, assim como Stephen Beadman, 29 anos, que assumiu a culpa também pelo assassinato da garota. Kayleigh Haywood mobilizou toda a Inglaterra quando sumiu, em Leicestershire, e os detalhes de seus dias sob o poder do assassino vêm à tona durante o julgamento do caso. As informações são do site “Daily Mail”.

Uma testemunha contou que, na noite anterior, a menina enviou a mensagem “ajuda” por Facebook a uma amiga, mas ela só viu o conteúdo no dia seguinte, quando acordou. O problema foi que as novas mensagens pareciam ter sido enviadas por uma terceira pessoa.

Já amiga virtual de Harlow revelou que, durante uma conversa, o suspeito teria dito que gostaria de sequestrá-la no Natal e que, além disso, “transar com garotas bêbadas, inconscientes” eram as atividades de que mais gostava.

A promotora de acusação leu o material diante do tribunal: “Isso vai ajudar vocês a entender como funciona a mente dele. Em algum momento a vítima claramente queria deixar aquele apartamento”, disse Miranda Moore, que ressaltou o fato de que, ao tentar fugir seminua — presenciado por uma testemunha —, a adolescente demonstrou que queria ir embora dali. Vizinhos também relataram que ouviram barulhos de batidas e gritos vindos do apartamento durante a noite e a madrugada.

Entenda o crime
A jovem disse aos pais que passaria a noite na casa de uma amiga de sexta para sábado, mas foi na verdade para a casa de um dos suspeitos, Harlow. Na manhã de sábado, mandou uma mensagem pedindo aos pais para passar mais uma noite no local e, na madrugada de domingo, tentou fugir. Vizinhos começaram a escutar gritos por volta das 22h de sábado e, horas depois, tentou fugir, seminua, mas teria sido impedida por Beadman, que se declarou culpado pelo assassinato da menina. O corpo de Kayleigh tinha muitos ferimentos na cabeça e no rosto e ela teve que ser identificada a partir da arcada dentária.

EXTRA