Em nota, juiz ironiza “boas intenções” de Renan

“Combate à corrupção não é tolice, é coisa séria”, diz o juiz

João Ricardo Costa, presidente da AMB. Foto: AMB
João Ricardo Costa, presidente da AMB. Foto: AMB

A reação em cadeia dos juízes contra Renan Calheiros (PMDB/AL) ganhou mais um capítulo. Nesta quarta-feira, 16, o presidente da maior entidade da toga no País, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, emitiu nota pública em que diz. “Combate à corrupção não é tolice, é coisa séria. Tolice é o presidente do Senado imaginar que a sociedade vai acreditar nas suas boas intenções ao investigar salários de magistrados e tentar criminalizar juízes que tentam combater à corrupção.”

A reação da AMB se soma à de outra entidade influente do Judiciário, a Associação dos Juízes Federais, que também desafiou Renan e revelou que um ‘administrador do xerox da Câmara dos Deputados ganha igual a ministro do Superior Tribunal de Justiça’.

O presidente do Congresso instalou uma comissão para identificar os supercheques do funcionalismo nos Três Poderes. Os juízes acreditam que o alvo de Renan são eles. O peemedebista é investigado na Lava Jato. Na avaliação da toga, o senador estaria promovendo uma retaliação. Renan disse que entidades que se opõem à comissão do supercheque ‘não vão intimidar o Senado’.

Em resposta às declarações de Renan, o presidente da AMB, João Ricardo Costa, destacou que ‘é preciso que a magistratura, o Ministério Público e a sociedade estejam unidas para evitar as manobras que alguns parlamentares têm tentado usar para enfraquecer as prerrogativas dos juízes e membros do MP, além de tentarem, a todo custo, abafar a Operação Lava Jato’.

“O desejo da sociedade é que a Justiça puna os condenados e cumpra o seu papel de combater a corrupção, e que as autoridades não usem o posto que ocupam para obstaculizar o trabalho da Justiça”, afirmou.

Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *