Cinco motivos que podem fazer Tite trocar o Corinthians pela Seleção

Campeão de quase tudo no Timão, técnico sonha trabalhar em uma Copa do Mundo e vê chance de dar salto na carreira com novo convite. Ele é o “plano A” da CBF

Tite pode levar comissão técnica do clube à Seleção.
Tite pode levar comissão técnica do clube à Seleção.

Principal candidato à vaga de técnico da seleção brasileira caso Dunga seja demitido, Tite, desta vez, reúne motivos para aceitar um convite da CBF para comandar o Brasil e tentar levar o time à Copa de 2018, na Rússia.

Depois de recusar sondagens no ano passado e em abril deste ano, Tite está mais propenso a realizar o sonho de dirigir a Seleção. Isso porque, no Corinthians, ele tem encontrado ruídos na comunicação com dirigentes e até jogadores – caso, por exemplo, de Cássio.

O GloboEsporte.com lista abaixo as cinco principais razões que podem fazer Tite ser, em pouco tempo, o novo técnico da Seleção.

SALTO NA CARREIRA
Tite é campeão da Libertadores, do Mundial de Clubes, do Brasileiro (duas vezes)… Já é o técnico mais vitorioso da história do Corinthians. Depois de campanhas de sucesso, o técnico sente que pode respirar novos ares em breve. Ele tem contrato com o Timão até dezembro de 2017, mas um convite da Seleção, desta vez, seria bem aceito. É um sonho que ele alimenta desde o fim da Copa de 2014. No elenco, há um desgaste natural. A ida de Cássio para a reserva, por exemplo, foi um processo traumático para os dois lados.

AGORA OU NUNCA
O técnico confidenciou a amigos que terá de assumir a seleção brasileira ainda em 2016 se quiser trabalhar na Copa do Mundo de 2018. Caso se confirme a demissão de Dunga nos próximos dias, o treinador avalia que a CBF dificilmente fará uma outra troca de comando até o torneio na Rússia. Além disso, Tite entende que após o próximo Mundial outros treinadores já tenham surgido para disputar espaço com ele.

PROMESSAS E DESMANCHE
Em um ano e meio, Tite teve de lidar com dois desmanches no elenco – e um terceiro pode estar a caminho. Depois das saídas de Emerson Sheik, Guerrero e Fábio Santos, o técnico recebeu a promessa de que ninguém mais sairia até o fim do Brasileirão de 2015. Ninguém saiu, e o time foi campeão. Depois, porém, veio a surpresa: China e França levaram seis titulares da campanha vitoriosa e fizeram Tite remontar o elenco. Agora, Felipe puxa a fila de quem deve sair. Elias e Fagner podem ser os próximos. O técnico sente que não foi atendido pelos seus superiores.

APELO POPULAR
Ser quase uma unanimidade no país passou a mexer com Tite nos últimos meses. Elogiado até mesmo por torcedores rivais, o técnico sente que essa é a chance de dar um salto ainda maior na carreira e principalmente fazer algo novo para o futebol brasileiro. Um bom trabalho com a Seleção, com um eventual hexacampeonato, o colocaria como um dos principais treinadores da história do Brasil e também abriria as portas do mercado europeu.

TORCEDORES NO CT
A recepção de quatro torcedores organizados ao CT Joaquim Grava não foi bem digerida pela comissão técnica do Corinthians. Os organizados conversaram com diretores e jogadores num ambiente que deveria ser reservado, na visão de Tite. Desde então, ele evitou falar sobre o ocorrido, mas viu seus superiores defenderem a atitude. O presidente Roberto de Andrade, de quem ele é amigo, assumiu ter sido o autor da ideia da reunião.

Site:globoesporte