Casal esclarece ação do MPF e ressalta que não lança esgoto em galerias pluviais

Fatos apontados em decisão judicial se referem a uma situação de 11 anos atrás; todas as pendências já foram solucionadas

large

A Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) esclarece que todas as pendências citadas pela Justiça Federal, por meio de uma decisão divulgada na semana passada em relação ao lançamento de esgoto, já foram solucionadas.

Segundo o diretor presidente da companhia, Clécio Falcão, o fato apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) na ação se refere a uma situação de 11 anos atrás, quando, na oportunidade, os técnicos da empresa concluíram que a ligação do esgotamento de três edifícios da orla de Jatiúca à galeria de águas pluviais era a solução menos danosa ao meio ambiente naquele momento. “Era uma situação única e pontual, ou seja, temporária, e que logo foi solucionada”, afirmou o presidente.

De acordo com ele, essa não é uma prática da Casal e não se repetiu em nenhuma outra situação. Naquela ocasião, o único coletor de esgoto existente na área estava obstruído, precisando de serviços de engenharia que demorariam mais tempo, e, se não tivesse sido tomada aquela medida, conforme o presidente da Casal, o esgoto ficaria retido na área interna dos três edifícios, causando danos maiores.

“Com recursos do governo federal que passam de R$ 60 milhões e obras executadas pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra), toda a área que fica entre o rio Jacarecica e a avenida Jatiúca teve o seu saneamento concluído. Dessa forma, as pendências apontadas pela Justiça já foram todas elas solucionadas”, emendou Falcão.

Atualmente, segundo ele, a Seinfra realiza em parceria com a Casal a obra de implantação de uma “linha expressa” de esgoto entre a praça Lions, na Pajuçara, e a praça 13 de Maio, no Poço, que vai complementar toda a obra da rede de esgotamento sanitário da Bacia da Pajuçara.

“Reafirmamos que a Casal não lança esgoto em galerias de águas pluviais e desenvolve ações preventivas para que não ocorram extravasamentos nas áreas onde existe rede coletora. A Casal preza pela conservação do meio ambiente e da saúde das pessoas”, concluiu Clécio Falcão.

Diego Barros – Agência Alagoas

26/07/16