Em Mostra de Artes Plásticas, estudantes retratam sonhos, sentimentos e cotidianos

Às claras e às cegas, argila, papel, arames, garrafas, tinta, grafite, palitos de picolé e até crânios bovinos dão vida aos 71 trabalhos expostos no Teatro Linda Mascarenhas até quinta-feira (10), das 8h às 17h, durante a Mostra de Artes plásticas do II Encontro Estudantil da rede estadual de Alagoas. A ação, que dura toda a semana, acontece às vésperas da comemoração do Dia do Estudante, celebrado em 11 de agosto.

Destacando a relevância do momento, a gestora do Camec (Centro de Artes e Mediações Culturais) da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Juliana Amorim, explica que as obras são produções de 48 alunos do ensino médio das 13 Gerências Regionais de Educação (Gere).

“Eles trouxeram pinturas em telas, desenhos com grafite em papel, técnicas mistas como colagem, desenho, pintura, esculturas utilizando papietagem e barro, entre outros. Além de dar visibilidade aos trabalhos, a mostra é também uma oportunidade de intercâmbio entre eles”, declara a gestora.

Inclusão

Na exposição ‘Arte às cegas’, da Escola Estadual de Cegos Cyro Accioly, pertencente à 1ª Gere, em Maceió, a professora e artista plástica Adriana Challupe apresentou, orgulhosa, as obras de 12 alunos. Dentre estas, estão ‘Deficiente visual lendo livro em Braile’, de Josefa Lopes, ‘O Halterofilista’, de Rivelino Silva, e os trabalhos de dobradura realizados por Paulo Fernando, de apenas 9 anos de idade. São trabalhos que superam as limitações físicas e até mentais, ajudando na autoestima e gerando renda e integração com a família.

“Como trabalho com a cultura, acho este momento muito importante. Um privilégio e honra estar aqui; fiquei deslumbrada. O Estado está de parabéns por esta iniciativa e estamos muito felizes ao vermos a educação especial também incluída neste processo”, declara.

Do interior ao futuro

Oriundos dos municípios de Viçosa e Taquarana, pelas 4ª e 5ª Geres, respectivamente, os estudantes Bartolomeu Gomes da Silva, da Escola Estadual Joaquim Diegues, e Clécio José da Silva, de Escola Estadual Santos Ferraz, utilizando técnicas e inspirações distintas mostraram suas paixões pelas artes.

“Desde pequeno sempre gostei de desenhar carros. Depois resolvi tirar do papel e fiz os primeiros usando o próprio papel, mas como não era resistente, amassava e fui procurar algo mais resistente e achei o palito”, explicou Bartolomeu, acompanhado pelo orientador e incentivador Alex Silva Santos.

Em sua segunda participação no Encontro Estudantil, Clécio José, morador do sítio Lagoa do Tanque, trouxe a instalação ‘À beira da glória: para todo fim um recomeço’. Resultado de seis meses de pesquisa e produção, a obra busca traduzir o renascimento de Alagoas a partir dos seus 200 anos. Utilizando 102 crânios de boi para ilustrar cada município alagoano, ele declara o que espera do futuro do seu Estado.

“Representei também as cidades de Penedo, Maceió, Marechal Deodoro e Porto Calvo em fotos, falando sobre a história e cultura alagoana, sobre os avanços. Marechal Deodoro, principalmente, na época da colonização, marcou uma época de Alagoas muito próspera”, contou.

O espaço do Teatro Linda Mascarenhas traz ainda outras mostras, como teatro, fotografia e audiovisuais.

Ascom – 09/08/2017