Após briga com Ganso, Oswaldo é demitido no Fluminense

Pouco mais de um mês após seu anúncio, Oswaldo de Oliveira foi demitido do comando técnico do Fluminense na manhã desta sexta-feira (27), em reunião da cúpula de futebol do clube. O treinador deixa o clube após a áspera discussão com Paulo Henrique Ganso durante o empate em 1 a 1 contra o Santos, nesta quinta, no Maracanã.

Na partida, o meio-campista foi substituído aos 18 minutos do segundo tempo por Daniel e não gostou da mudança. Irritado com a decisão, ele xingou o técnico de “burro”, e Oswaldo returcou, chamando-o de “vagabundo”. Profissionais da comissão técnica e jogadores precisaram intervir para que a situação não fosse mais grave.

Ao final da partida, Oswaldo de Oliveira ainda fez gestos obscenos à torcida na saída de campo.

Oswaldo chegou ao cargo no dia 20 de agosto, após queda de Fernando Diniz. De lá para cá foram sete partidas, uma pela Copa Sul-Americana, com a eliminação diante do Corinthians, e as outras seis pelo Campeonato Brasileiro. Ao todo, foram duas vitórias, dois empates e três derrotas, com aproveitamento de 38,1%.

Essa foi a terceira passagem dele pelo Tricolor das Laranjeiras. A primeira, entre julho de 2001 e abril de 2002, culminou com a campanha semifinalista do Brasileiro de 2001. Depois, entre abril e agosto de 2006, seu trabalho foi mais discreto, terminando com uma acusação a Celso Barros, à época presidente da Unimed/Rio e hoje vice-presidente, de tentar influenciar na escalação do time.

Com o empate desta quinta, com dois a menos em campo, o Flu saiu da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e agora é o 16º colocado, com 19 pontos, a mesma pontuação que Cruzeiro e CSA, 17º e 18º, respectivamente.

27/09/2019